Devir Imperceptível


E-mail this post



Remember me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.com. More...



"Há muita gente que sonha ser traidora. Acreditam nisso, acreditam que são traidores. Porém não passam de pequenos batoteiros. É que trair, é difícil, é criar. É preciso com isso perder a identidade, o rosto. É preciso desaparecer, devir desconhecido.” - Deleuze

O fim, a finalidade de escrever? Muito para além ainda de um devir-mulher, de um devir-preto, animal, etc., para além de um devir-minoritário, há a tarefa final de devir-imperceptível. Um escritor não pode desejar ser "conhecido", reconhecido. O imperceptível, característica comum da mais alta velocidade e da maior lentidão.

Perder o rosto, saltar ou furar o muro, limá-lo muito pacientemente, escrever não tem outro fim. É o que Fitzgerald chamava verdadeira ruptura: a linha de fuga, não a viagem nos Mares do Sul, mas a aquisição de uma clandestinidade (mesmo se se deve devir animal, devir preto ou mulher). Ser finalmente desconhecido, como muito pouca gente o é, é isso, trair. É muito difícil deixar de ser conhecido, mesmo da porteira, ou no bairro, o cantor sem nome, o ritornelo. No final de TERNA É A NOITE, o herói dissipa-se literalmente, geograficamente. O belo texto de Fitzgerald, THE CRACK UP, diz: "Eu sentia-me como os homens que via nos combois de subúrbio, em Great Neck, já lá vão quinze anos…"

Há todo um sistema social que poderíamos chamar sistema muro branco - buraco negro. Estamos todos pregados no muro das significações dominantes, estamos sempre enterrados no buraco da nossa subjectividade, o buraco negro do nosso Eu que nos é o mais caro de tudo. Muro onde se inscrevem todas as determinações objectivas que nos fixam, nos encaixilham, nos identificam e nos fazem reconhecer; buraco onde nos alojamos, com a nossa consciência, os nossos sentimentos, as paixões, os nossos pequenos segredos demasiado conhecidos, o nosso desejo de os fazer conhecer.

Ainda que o rosto seja um produto deste sistema, é uma produção social: grande rosto de faces brancas, com o buraco negro dos olhos. As nossas sociedades têm necessidade de produzir rosto. Cristo inventou o rosto. O problema de Miller (que já era o de Lawrence): como desfazer o rosto, libertanto em nós as escavadoras que traçam linhas de devir? Como passar o muro, evitando ressaltar, para trás, ou ser esmagados? Como sair do buraco negro, em vez de girar no fundo, que partículas fazer sair do buraco negro? Como quebrar mesmo o nosso amor para se ser finalmente capaz de amar? Como devir imperceptível?

Ali onde já não temos segredos, já não temos nada a esconder. Somos nós que nos tornámos num segredo, somos nós que estamos escondidos, ainda que o que fazemos o façamos abertamente, à luz crua. […]

Molar (arvore) comportamento da norma – um estimulo = sempre a mesma resposta
Molecular (rizoma) comportamento além da norma – um estimulo = resposta diferente conforme a situação (uns elemntos perdem-se, e aparecem outros).
O espaço liso-vectorial é o de menor intervalo, de pontos infinitamente próximos. Um espaço de pequenas açcões de contato, táctil, não visual. O espaço liso é um meio sem horizonte, como o deserto ou o mar. Não existem distância intermediária, perspectiva ou contorno. O espaço liso é o meio, é o muro branco, é o devir. O espaço liso não comporta fundo nem contorno, mas mudanças direcionais e ligações de partes locais. Linha abstrata de variação, em banda, espiral, S e zigzag, que escapa à geometria, sem traçar contorno nem delimitar forma.

Espaço estriado-métrico revela um pensamento hierarquizado, ilusionado pela transcendência (vida eterna, deus e alma), submetido aos dogmas e com pretensões de ser fechado, o pensar revestido de necessidades escatológicas, o pensar que deseja a verdade e a fundamentação última. Esta é a raiz introjectada no pensamento.

Imanencia – Transcendência - Criar conceitos é, no intento deleuzo-guattariano, criar sentido no plano de imanência, e não sair dele e não buscar uma referência ulterior ao seu território ( se a verdade existe, então ela está no sentido das conjunções dos conceitos no plano; logo, é construção da linguagem); Deleuze e Guattari não têm, pelo que parece, o desejo de buscar uma referência fora do plano. O movimento do pensamento a partir dos conceitos permite estabelecer a conclusão de que os conceitos são objetos imanentes a um horizonte, rizomas (sistemas a-centrados e não hierárquicos) que realizam conexões, ligamentos e junções sempre horizontalmente num mesmo plano ou não (perpetrar a construção de sentido), sem ultrapassar o plano verticalmente, ou seja, evitar a realização de uma experiência que centre o pensamento em uma realidade ulterior, sobrenatural, mística e que se preocupe com uma adequação do conceito com a coisa ou com estados de coisas; "desterritorializar" o pensar por figuras de cunho transcendental (no sentido escolástico) é uma das propostas de Deleuze e Guattari.

A imanência do conceito impede o figurar, o pensar por imagens, a busca de verdades fora do plano. Criar conceitos e produzir sentido têm uma ligação essencial com a linguagem, o pensamento como corolário da ordenação da linguagem; os conceitos são manifestações da linguagem, e a filosofia- do modo que Deleuze e Guattari a encaram- me parece se reduzir a um jogo de coerência da linguagem, ou melhor, um jogo de conceitos com consistência em seus devires.


0 comentários a “Devir Imperceptível”

Apague estas letras e preencha com os seus dados

      Convert to boldConvert to italicConvert to link

 


Feixes Passados

Arquivos Gnósticos

Ligações Hertzianas


ATOM 0.3